dez 182010
 
Por Luigi Rotelli

Ponte em Colmar. Foto: Luigi Rotelli

As Vilas Floridas da Alsácia

Na França existe há 50 anos um conselho nacional de cidades e vilarejos floridos (Les villes et villages fleuris) que visa incentivar as cidades a criarem espaços verdes, melhorar a qualidade de vida de seus habitantes e embelezar as ruas com flores. O objetivo é aumentar a coesão social e o senso de comunidade: o cidadão que vive em uma cidade bonita, bem cuidada, sente como obrigação cuidar do bem público e cuida de sua casa para que ela também fique bela, bem pintada, coloca flores nas janelas.

Foto: Luigi

O ganho é um aumento no índice de felicidade e um orgulho de viver em comunidade. A atitude das pessoas em sua relação com a comunidade é muito diferente. No Brasil a insegurança nos afasta da vida em comunidade e nossa tendência natural é colocar muros para não ver a rua e grades nas janelas. Lá não tem muros e eles colocam flores nas janelas.

Eles fazem isso para eles mesmos, é para a vida deles, não é para turistas verem. É impressionante como praticamente todas as casas tem flores em quase todas as épocas do ano pois são replantadas a cada estação. O efeito colateral é o turismo e por isso é tão gostoso viajar pelo interior da França.

Flores em todas as janelas. Foto: Luigi

Todo ano há um concurso nacional e as cidades participantes são classificadas em um ranking chamado Ville Fleurie (cidade florida) que vai de 1 a 4 flores e na entrada de cada cidade há uma placa indicando sua classificação. Há também um outro ranking, esse sim mais para fins turísticos, que se chama Les plus beaux villages en France, que elege as vilas mais bonitas da França.

Há uma região vinícola na França chamada Alsácia, onde todas as cidades, pequenas ou grandes são, quase sem exceção,  charmosíssimas. Elas disputam entre si para ver qual a mais florida, a mais bem cuidada.

Entrada de uma vila. Foto: Luigi

Há flores nos postes, nas rotatórias, nas floreiras da rua, nas casas. As cidades parecem saídas de um conto de fadas.

Foto: Luigi

Em volta disso tudo, há vinhedos e centenas de vinícolas, todas pequenas, de pequenos produtores que mantém a tradição secular das famílias e estão sempre abertas para receber os visitantes com uma taça de seu precioso vinho.

Foto: Luigi

Fazer a rota dos vinhos da Alsácia é como viajar no tempo, uma viagem acompanhada de sabores e aromas inesquecíveis dos vinhos brancos da Alsacia, acompanhados de uma deliciosa gastronomia que une o refinamento da cozinha francesa aos pratos de origem alemã.

A rota passa no meio das vinhas na encosta dos Vosges e por dentro de cada vilazinha, onde estão as vinícolas para degustação. No meio da rota, no alto das montanhas, há castelos do ano 1200, intactos, como o Chateau Haut-Koenigsbourg.

Chateau Haut-Koenigsbourg, visita imperdível no alto dos Vosges. Reserve meio dia para a visita. Foto: Luigi Rotelli

Uma coisa curiosa: os vinhedos delimitam o espaço urbano, de forma que você atravessa a rua e já está dentro de um vinhedo. As cidades são próximas, a cada 2 ou 3 Km tem uma vila, de forma que as vilas estão entre  as uvas. Não há uma cerca, nada e você vê os cachos intactos na beira da estrada ou nas ruas limítrofes sem qualquer sinal de violação.

É possível fazer essa rota de bicicleta, alugada em Estrasburgo. A parte principal da rota, das melhores vinícolas, tem apenas 70 Km. Com um pouco de planejamento, o passeio fica muito agrádavel. No final do verão e começo de outono eu sempre via passar um bando de ciclistas no meio dos vinhedos, a agradáveis 8ºC na parte da manhã.

Ciclistas na rota do vinho. O ciclismo é um esporte nacional na França, assim como dar palpite e filosofar sobre todos os assuntos. Foto cortesia de www.tourisme-alsace.com

As castas alsacianas

Cepages d’Alsace. Foto de Chekobero

A especialidade da Alsácia é o vinho branco feito a partir de uvas brancas (parece redundância, mas é que o vinho branco pode ser feito a partir de uva tinta vinificada sem a casca). Na Alsácia há quatro tipos principais de uva, cada qual produz vinhos com características bastante peculiares:

  1. Gewürztraminer (pronuncia-se ‘guevirztraminér’) – com alto teor de açúcar e com intenso perfume floral, produz vinhos naturalmente adocicados. Harmoniza com alguns pratos típicos, queijos azuis e sobremesa. Em alguns terroirs é possível encontrá-lo mais seco com teor alcoólico alto.
  2. Silvaner – a menos nobre das uvas alsacianas, antigamente uma das mais comuns, agora é plantada apenas nos solos piores. Vinho frutado, suave, com teor de açúcar menor que a Gewurztraminer.
  3. Pinot Gris – produz vinhos frutados e mais secos fazendo um meio termo delicioso com a Riesling que acompanha a maioria dos pratos alsacianos.
  4. Riesling, o gentil aromático – a mais nobre das castas alsacianas, produz vinhos secos e muito aromáticos. Dependendo do terroir, os vinhos tem acentuada mineralidade e prolongado período de guarda.

Além dessas, há outras menos plantadas, como a Auxerrois Blanc, Muscat d’Alsace, a Pinot Noir (a única uva tinta plantada na alsácia) e a Pinot Blanc, usada para fazer o Crémant d’Alsace (vinho espumante).

A origem dos vinhos Grand Cru da Alsacia

As montanhas dos Vosges. Foto de Didier Beck

Eventually, all things merge into one,
and a river runs through it.
The river was cut by the world’s great flood
and runs over rocks from the basement of time.
On some of the rocks are timeless raindrops.
Under the rocks are the words,
and some of the words, are theirs…

Norman MacLean, no conto “A river runs through it”

Formado por colisões e dobramentos de placas tectônicas, as montanhas dos Vosges, na França e as montanhas da floresta negra, na Alemanha, eram as bordas de uma única grande cordilheira de granito, sem o vale do rio Reno no meio. Durante um longo período geológico de deriva dos continentes, essa enorme cadeia de montanhas permaneceu abaixo do nível do oceano, no fundo do mar.

Deriva dos continentes entre 255 milhões de anos até 14 milhões de anos atrás, período da formação geológica dos Vosges.

Uma seqüência cronológica de deposição de partículas de areia do continente transportadas e depositadas no fundo do mar cobriram essas montanhas de granito com uma camada de dezenas de metros de espessura de areia. Na época o subcontinente da Europa estava mais próximo ao equador, as temperaturas eram tropicais e naquele mar relativamente raso aconteceu uma grande proliferação de vida marinha.

Durante milhões de anos, corais, conchas e outros exoesqueletos de calcário foram depositando-se em camadas cada vez mais espessas. O peso destes sedimentos calcários exerceram uma pressão tão grande em cima da camada de areia, que ela se fundiu em rocha, se transformou em arenito – o arenito dos Vosges, com uma coloração rósea e marrom, que foi usado para construir a grande catedral de Notre-Dame de Estrasburgo e outros belos edifícios por toda a França.

Interior da catedral de Notre Dame de Estrasburgo, toda ela feita de arenito dos Vosges. Foto: Luigi

Em cima do arenito e do calcário, veio uma terceira camada, a marga, formada por minerais de argila e matéria orgânica que a pressão e o tempo também transformaram em rochas.

Outras dezenas de milhões de anos de passaram, colisões entre placas tectônicas causaram dobramentos, os Alpes se formaram e aquela grande cordilheira norte-sul que estava debaixo d’água ergueu-se do oceano. Nesse processo de soerguimento, aquelas três camadas de rochas sedimentares formadas em cima do granito durante o período triássico quebraram-se, dobraram-se e, num evento catastrófico, toda a parte central desta cordilheira afundou, formando duas cadeias de montanha, os Vosges do lado francês e as montanhas da Floresta Negra do lado alemão, separadas por um vale de 40 km de largura e 300 km de comprimento – a fossa Rhenan.

O vale, mais baixo, encheu-se de água e um rio se formou, o rio Reno, correndo sobre essas rochas da fundação do mundo. E na borda deste vale, do lado francês, na encosta das montanhas dos Vosges, por cima de falhas profundas, de um mosaico de rochas de granito, marga, calcário e arenito, um verdadeiro sonho de geólogo, plantaram-se vinhedos.

Os solos da encosta dos Vosges são extremamente profundos, o que não acontece na planície. As raízes das vinhas em busca de água e nutrientes conseguem descer a grandes profundidades, dezenas de metros entremeadas entre as diferentes rochas, da qual extraem uma complexa seiva mineral.

Videiras no inverno alsaciano. Foto de wgbalrog

A videira traz à luz os fundamentos dessas rochas e as condensa em uvas, que os homens transformam em vinhos. Alguns destes vinhos são tão especiais, tão extraordinários, que mereceram uma distinção especial, os chamados premier crus e os ainda mais especiais grand crus.

Tais vinhos só acontecem em alguns locais específicos, onde as características de solo e o microclima (ventos, umidade, insolação) criam uma combinação extremamente favorável. São os terroirs, um conceito exclusivamente francês que significa a relação mais íntima entre o solo e o micro-clima particular, que expressa seu caráter típico em um grande vinho.

Videiras em Riquewirh. Foto de Markameleon

Enquanto contemplava a planície do Rio Reno, da encosta das montanhas dos Vosges, em meio aos vinhedos dourados no outono alsaciano (e já meio alto de tanto degustar vinho),  lembrei-me da narração final do pescador no filme de Robert Redford “Nada é para sempre” (A river runs through it), baseado no conto homônimo de Norman MacLean, citado no início em inglês:

“No fim, todas as coisas fundiram-se em uma – e um rio correu através delas.
O rio foi cortado pela grande enchente do mundo
e corre sobre rochas da fundação do tempo.
Em algumas destas rochas estão gotas de chuvas eternas.
Debaixo das rochas, estão as palavras
e, algumas das palavras, são delas…”

O vinho é a expressão da terra. A transdução da rocha. Mas vinho não é só sabor e aroma. É também fantasia, imaginação, percepção. Essa é a razão pela qual comecei falando das vilas floridas e depois sobre a geologia dos solos. As duas coisas estão interligadas. O solo sozinho não faz o vinho, quem o faz são as pessoas. A videira traz algo do mistério do mundo à superfície, algo que se incorpora nas vidas daquelas pessoas e em nossas vidas. Mas em última instância, se as pessoas não tem sentido em fazer algo bem feito, em fazer algo que transcende sua mera sobrevivência, se as pessoas não são felizes de alguma forma, para quê elas fariam vinhos? Elas poderiam plantar milho, batatas.

Mas os franceses tem algo interessante. Eles cultivam a fantasia. Eles não fazem um prato para comer rápido e sair correndo como os americanos (fast food). Eles se dedicam à gastronomia (slow food). O objetivo não é comer algo em quantidade e transformar a comida em energia. O objetivo é saborear uma comida muito especial, um vinho muito especial e com isso ganhar um instante especial.  É a diferença que o ratinho Remy, do filme Ratatouille, tentava explicar ao seu primo glutão, que comia lixo: a sentir as nuances, apreciar, imaginar. Eles não jogam a comida no prato simplesmente e comem; eles cuidam das formas, das cores, fazem o prato ficar bonito, para ser apreciado também pelos olhos. É pela mesma razão, pelo mesmo sentido que eles mantém as suas casas, ruas e praças bonitas, que eles plantam flores e fazem bons vinhos.

Viver em uma cidade feia e suja, comer uma comida por comer, beber por beber faz toda a diferença: a vida fica sem graça, monótona. E depois as pessoas ficam tentando consertar com remédios anti-depressivos ou entorpecentes. A arte e a fantasia são o tempero da vida.

Um guia para fazer a Rota dos Grand Cru da Alsácia

A rota dourada da Alsácia. Foto de Markameleon tirada em Hunawirh.

As melhores vinícolas ficam entre Estrasburgo e Colmar. O trecho mais interessante da rota de vinhos da Alsácia tem 72 km.

Para fazer a rota sugiro sair de Estrasburgo em direção a Colmar pela A35 e sair fora da autoestrada pegando a saída para Obernai, uma simpática cidade na rota do vinho e de lá seguir pelas estradas internas para as outras cidades que indico abaixo, na sequência.

Obernay. Foto: Luigi

A Alsácia tem centenas de pequenas vinícolas e quase todas oferecem degustação gratuita. Você tem que escolher onde visitar, caso contrário não vai sair da primeira vila que encontrar e vai deixar de conhecer coisas preciosas. Portanto, eu sugiro visitar apenas algumas muito especiais, somente entre as que produzem grand crus, que são a classificação máxima do vinho na França. Mesmo essas são muitas e eu selecionei algumas que considero as melhores. Aqui vai uma lista de algumas cidades e respectivas vinícolas, com destaque especial para aquelas que são realmente imperdíveis.

Mittelbergheim

Mittelbergheim. Foto de Yannick Meyer.

Está entre as 100 mais bonitas vilas da França (Les plus beaux Villages).

  • Domaine Rietsch, 32 rue Principale, +33 (0)388 08 00 64
  • Domaine André Rohrer, 22 rue des Vosge
  • Domaine André Rieffel, 11 rue Principale, +33 (0)388 08 95 48
  • Boeckel2, Rue de la Montagne – +33 (0)3 88 08 91 02 – que eu saiba, é o único viticultor da Alsácia que produz um Silvaner Grand Cru.
Bergheim

Entrada de Bergheim. Foto: Luigi

Uma cidade fortificada muito bem preservada. Este pórtico da entrada é do ano 1300. Bergheim é a cidade que tem os melhores grand crus da Alsácia, então é visita obrigatória. Vinícolas a visitar:

  • Domaine Marcel Deiss and Fils15 Route du Vin, +33 (0)389 73 63 37 – Se você quer experimentar o melhor vinho da alsácia e um dos melhores vinhos brancos do mundo, sua parada é aqui. O grand cru Altenberg de Bergheim é simplesmente inesquecível. Está no guia de 1001 vinhos para tomar antes de morrer. Bem, eu já tomei o meu. Só falta outros 1000 agora. Os premier crus são também fantásticos. Peça a degustação de “vin de terroirs”, para experimentar na seqüência os melhores vinhos de cada terroir (premier crus e grand crus), acompanhado de uma descrição da geologia de cada terroir. Praticam agricultura estritamente biodinâmica. Fazem coplantagem de variedades. Sem dúvida os vinhos mais originais e complexos que experimentei. É gerenciado por Jean Michel Deiss. Os grand crus Marcel Deiss podem ser guardados durante 25 anos ou mais. Nunca ouvi falar em outro vinho branco com período de guarda tão prolongado.
  • Sylvie Spielmann2 route de Thannenkirch, +33 (0)389 73 35 95 – vinhos mais secos que o normal da alsácia, especialmente o Pinot Gris e o Gewurztraminer ficam bem interessantes. Pratica agricultura orgânica.
  • Emile et Yvette Helbeisen3 Route du Vin, +33 (0)389 73 63 81
  • Gustave Lorentz35 Grand rue, +33 (0)389 73 22 22
Riquewihr

Calçadão com vinícolas e restaurantes em Riquewihr. Foto: Luigi

Uma das vilazinhas mais badaladas da encosta dos Vosges. Um charme. Visita obrigatória. Lá é o local do terroir mais famoso da Alsácia – Schoenenbourg – onde se produz os mais conceituados grand crus da Alsacia. As melhores vinícolas:

  • Fréderic Engel & Fils36 rue des Ramparts, +33 (0)389 47 83 88 – essa é minha dica pessoal, o melhor custo benefício da Alsácia. Eles produzem um grand cru Schoenenbourg de grande complexidade, um vinho excepcional a um preço bem abaixo do que ele vale em qualidade. Apenas 11 Euros. Várias vinícolas oferecem grand crus nesta faixa de preço, mas não chegam nem próximo dessa qualidade.
  • Hugel et Fils3 rue de la Première Armée, +33 (0)389 47 92 15 – a mais famosa, uma das maiores da Alsácia e você paga o preço da fama. Mas os vinhos são bons e vale a visita assim mesmo.
  • Mittnacht-Klack8 rue de Tuileries, +33 (0)389 47 92 54 – Aqui um raro Muscat Schoenenbourg.
Ribeauvillé

Pracinha em Ribeauvillé. Foto de alh1.

Também muito procurada pelos turistas, a características dos terroirs de Ribeauvillé é a mineralidade dos vinhos, especialmente os Riesling. Vinícolas:

  • Maison Trimbach, 15, route de Bergheim +33 (0)389 73 60 30 – uma bodega excelente, que fabrica dois dos mais conceituados vinhos brancos do mundo, o Clos St. Hune (Rosacker) e o Cuvée Frédéric Emile (Geisberg and Osterberg). A vinícola data de 1626, uma das mais antigas da Alsácia.
  • André Kientzler, 50 route de Bergheim, +33 (0)389 73 67 10
  • Jean Sipp, 60 rue de la Fraternité, +33 (0)389 73 60 02
  • Joggerst et Fils, 19 Grand rue, +33 (0)389 73 65 45
Eguisheim

Foto de Roland Frenzel

Também uma das vilas medievais mais bonitas da França e uma das mais antigas da Alsácia, de 720 DC, talvez o berço da vinicultura na Alsácia. Com ruas estreitinhas e tem tantas flores, que está classificada na pontuação máxima, 4 flores no ranking de Villes et Villages Fleuris.

  • Leon Beyer, 1 rue de la Première Armée, + 33 (0)389 21 62 30 – uma das vinícolas top da Alsácia, com dois vinhos excepcionais, Gewurztraminer Cuvée des Comtes d´Eguisheim (Eichberg) e Riesling Cuvée Particulière (Pfersigberg), ultra seco. Parada obrigatória.
  • Bruno Sorg, 8 rue Monseigneur Stumpf, +33 (0)389 41 80 85 – vinhos secos excelentes
  • Paul Ginglinger, 8 place de Charles de Gaulle, +33 (0)389 41 44 25.
Colmar

Canais em Colmar. Foto: Luigi

Ponto turístico obrigatório, que sai da rota do vinho alguns poucos kilômetros. Aqui o objetivo é fazer turismo e degustar os vinhos em ótimos restaurantes, com o melhor da culinária alsaciana .  O centro histórico de Colmar é muito charmoso, especialmente esse bairro que está na foto, chamado Petite Venice. 1 dia é suficiente para conhecer Colmar, mas é preciso ficar à noite para jantar em um restaurante estrelado no guia michelin.

Quantos dias?

Como eu morei em Estrasburgo, fiz essa rota com todo o vagar. Mas pensando no tempo limitado de um turista, com tudo considerado penso que uma viagem de 1 semana é possível fazer a rota de vinhos, sendo 3 dias na rota dourada, 1 dia em Colmar e reserve 3 dias para conhecer Estrasburgo, que é a principal cidade, com meio milhão de habitantes e é a mais bela e interessante de toda a região. Para conhecer mais sobre Estrasburgo, leia os dois artigos que escrevi sobre lá:

Estrasburgo: Na Fronteira da História

Estrasburgo: Na Fronteira da Modernidade

Le Vin Nouveau

Uma a duas semanas depois da colheita, que acontece normalmente no mês de setembro, é possível experimentar uma prévia do que será o vinho daquela safra. É o chamado vin noveau, ou vinho novo. É o suco da uva macerada já ligeiramente fermentado que vira uma bebida gasosa. Só nessa época que se consegue tomar isso. E eu não deixei por menos e fiz um delicioso piquenique nos Vosges tomando o vin nouveau acompanhado de quiche lorraine e outras deliciosas tortas salgadas.

Le Vin de Glace

Há também na Alsácia um vinho raro de sobremesa, licoroso, com aroma concentrado e extraordinária acidez, feito com a Riesling ou Gewürztraminer colhida tardiamente no inverno, congelada no pé, uva passa. É o chamado Vin de Glace, também conhecido como Eiswein na Alemanha e Áustria e Icewine no Canadá.

Luigi Rotelli é engenheiro agrônomo.

Artigos relacionados:

  196 Comentários para “A Rota de Vinhos e as Vilas Floridas da Alsácia”

Comentários (195) Pingbacks (1)
  1. Olá Luigi,
    Vamos, meu marido e eu, à França agora na segunda qujinzena de abril 2017. A idéia inicial era a Normandia, mas considerando as condiçöes climáticas começamos a buscar outras alternativas. Pensamos em princípio na regiäo da Alsacia-Lorena, sem mta convicçäo, mas já nas 1ªs linhas da tua descriçäo das Villes Flueris e da Rota do Vinho, näo restou a menor dúvida: vamos para Alsácia! Vc escreve com muitíssima vivacidade. Teu relato é cheio de entusiasmo, vibraçäo e cores. Parabéns!
    Nós teremos uns 7 dias inteiros, vc acha que nesse tempo dá pra fazer slow motion o roteiro todo? Acho que ficaremos menos tempo do que o recomendado por vc em Strasburg, pois já estivemos lá qdo fizemos a estrada Romântica na Alemanha.
    Em que cidades vc recomenda pernoitar?
    Ficaremos mto gratos pela sua preciosa colaboraçáo.

  2. Estamos aqui em Estrasburgo, viemos ver o marchê de Noel, um conselho, venham , vcs não vão se arrepender, é muito lindo. Estamos indo agora para a rota do Vinho tentar conhecer, apesar do frio, continua lindo. Recomendo muito, poucos brasileiros por aqui. Mas vale muito a pena.

  3. estou indo para a alsácia em abril/2017 não falo francês ,nem inglês, mas me viro. minha dúvida é se eu comprar o ticket de trem momentos antes do embarque eu tenho que validá-lo ? se tenho , como fazê-lo ?
    Outra dúvida é se eu corro o risco de não conseguir comprar o ticket de Colmar para Lyon na hora, por motivo de lotação do trem. alguém poderia me ajudar?

  4. vou para Estrasburgo no inicio de abril /2017 existe onibus panoramico que faz Estrasburgo -Colmar?

  5. Luigi
    Gostaria de sugestão de roteiro para ir para Alsácia também gostaria de incluir baden baden e basel vou no natal chego dia 23/12 via frankfurt

  6. Prezado Luigi,que bom compartilhar conosco suas belas experiências de viagens. Gostaria de uma dica sua,pois pretendo ir para Alsácia em setembro/16,e aí queria saber o seguinte: não tenho muito problema de tempo,então quero ir a Strasbourg 2 dias,e quero conhecer também Colmar, Obernai, Ribeuville,Riquewir, Eghisheim e o que mais for possível. Sendo assim queria saber se vale a pena ficar em Strasbourg e depois fazer outra base em Colmar para conhecer a partir daí e de carro as vilas. Estou correta? Será que alguma dessas vilas está mais perto de Strasbourg do que de Colmar? Estou um pouco perdida nas distâncias e não gostaria de ficar fazendo todos os dias bate/volta distantes pois percebi que o melhor é fazer a rota de carro e será minha primeira experiência de dirigir fora e também porque estarei com minha mãe, assim quero programar tudo da forma mais adequada possível. É isso.
    Desde já agradeço muiiito sua atenção e sua preciosa ajuda.

    • tanto faz, Eugênia. Colmar fica a apenas 50 km de Strasbourg

    • Oi Eugênia! Como foi a experência? Estou indo para a Alsácia em abril com meu esposo e também será nossa primeira experiência dirigindo no exterior. Tem alguma dica para compartilhar? Meu contato é katiuscia_gonçalves@yahoo.com.br

  7. Ola!!
    vou fazer um estágio em Strasburg no fim do ano.
    Gostaria de saber se o frio atrapalha muito fazer esse passeio pela rota dos vinhos. Obrigada

  8. Prezado Luigi, muito obrigado por nos ajudar a realizar nossos sonhos, dividindo suas experências que tanto nos ajudam a programar nossas Viagens.

    Gostaria de saber se a região da Alsácia (Rota dos Vinhos) Strasburg e Colmar, nos meses de Maio e Junho é uma época boa , ainda se pode ver muitas flores? Você tem ideia se costumar chover muito, e Setembro também é legal. Desde já agradeço a sua atenção Um grande abraço. Cláudia

    • Claudia, chove sempre, mas é sempre muito bom. Maio, junho são primavera, mais floridos. Setembro florido também, porque eles replantam as flores no verão para variedades que florescem nesta época.

  9. A Alsácia é um roteiro maravilhoso. Belas e pequenas vilas, vinhos brancos da melhor qualidade e muito da cultura alemã na França.

    Estivemos lá em Out/2014. Segue relato:

    https://vinhagem.wordpress.com/2015/06/23/alsacia-um-pedaco-da-alemanha-na-franca/

  10. Luigi,
    Iremos viajar para a região no final deste ano e pesquisando sobre as vinícolas da Alsácia posso afirmar que o seu post foi o melhor de todos que vi! Muito bom mesmo!
    Super descritivo e detalhado! Parabéns, um abraço!

    Se puder, dê uma olhadinha no meu blog também ;) {http://www.pontodepartida021.blogspot.com.br/}

  11. Olá Luigi, estou planejando passar alguns dias na Alsácia e suas dicas foram de fundamental importância, muito obrigado!

    Ficarei hospedado em Colmar e terei apenas dois dias inteiros para conhecer as cidades e atrações da região. Vou deixar o dia em que chegarei para conhecer a cidade de Colmar. Vou colocar abaixo a minha ideia e ficaria muito agradecido se você opinasse, principalmente em relação ao tempo, se dará ou não para fazer o que estou planejando.

    Dia 1 – Bergheim, Ribeauville e Riquewihr. Começaria em Bergheim, fazendo a degustação na Domaine Marcel Deiss e de lá iria comprar algum vinho a Gustave Lorentz. De lá iria para Ribeauville, onde faria degustação na Maison Trimbach e depois iria passear, conhecer a cidade e comprar vinhos em vinícolas como Louis Sipp e na Cave de Ribeauville. De lá iria para Riquewihr, conheceria a cidade e se ainda aguentasse faria mais uma degustação, dessa vez na Hugel.

    Dia 2 – Eguisheim, Chateau Haut-Koenigsbourg e Obernai. Começaria em Eguisheim, conhecendo a cidade e fazendo uma degustação em alguma das vinícolas. De lá iria conhecer o Chateau Haut-Koenigsbourg e terminaria o dia em Obernai.

    Estou colocando muita coisa para um dia só? Dá tempo de fazer três degustações e ainda conhecer as cidades no mesmo dia?

    Desde já agradeço!!

    • Prezado Luigi, fiz uma alteração no roteiro e ficaria muito agradecido se pudesse me ajudar.

      No dia da chegada na Alsácia, no lugar de ir direto para Colmar, vou conhecer Obernai e pernoitar por lá. Sendo assim, no outro dia eu conheceria o Chateau Haut-Koenigsbourg, Bergheim e no final chegaria em Colmar, conheceria a cidade e dormiria lá por dois dias. No último dia, conheceria Eguisheim, Ribeauville e Riquewihr.

      Acredito que assim aproveitarei mais o tempo na Alsácia. Ainda assim, estou receoso quanto ao tempo, principalmente no último dia, que são cidades três cidades com vinícolas imperdíveis e que também deve-se gastar um tempo para conhecê-las. Será que dá tempo de fazer tudo isso?

      Obrigado!!

      • Uai, você não vai a Strasbourg?

        • Infelizmente dessa vez não será possível, meu roteiro já está bastante extenso. A rota dos vinhos e suas charmosas vilas são minhas prioridades!

        • Felipe,
          Na minha opinião, dormir dois dias em Colmar é muito. A não ser que você use como ponto de partida para vilas próximas. Colmar é pequena. A parte antiga de Colmar equivale ao bairro Petite France de Estrasburgo. Um dia inteiro é mais do que suficiente para rodar tudo com muita calma. Obernay é menor ainda. E é bem próxima a Estrasburgo. Se eu posso te dar um conselho é esse: não deixe de conhecer Estrasburgo. Dê uma olhada nos dois artigos que escrevi sobre a cidade. É imperdível.

  12. Olá Luigi, gostaria de sua ajuda. Minha esposa e eu gostaríamos de ir de Strasbourg a Colmar de ônibus, você poderia indicar a melhor empresa para este trajeto??
    obrigado e aguardo,
    abrs,
    Jorge

  13. Olá
    estarei em Strasburg em outubro e gostaria de fazer a rota do vinho. Não estou conseguindo abrir o mapa do roteiro que vc fez. Pode me enviar por email?
    Grato

  14. Olá,
    Adorei todas as indicações, e qual melhor cidade para ficar hospedada nos dias do roteiro para que não seja necessário ficar trocando de hotel..
    Muito obrigada,

  15. Maravilhoso site.
    Comprando passagem para Strasbourg.
    Quero conhecer essas cidades todos. O marido disque não vai dirigir.
    Qual outra opção de transporte viável para se fazer essa rota dos vinhos na Alsacia.

    • Olá,
      Não conheço mas com certeza deve ter companhias de turismo que levam de Van. Para ciclistas, dá para fazer a rota de bicicleta na boa, pedalando cerca de 30km por dia e dormindo em pousadas nas vilas. Mas não saberia dizer quais pousadas, é preciso pesquisar na rota e planejar direitinho.

      • Obrigada pelas dicas.
        Estamos resolvendo ficar em Colmar por 3 dias. Alugar carro com motoristas. Visitar algumas cidades e voltar para Colmar. Fazer isso em 2 dias. Conhecer Colmar e seguir para Strasbourg. La ficaremos 4 dias. Uma cunhada vai defender tese de doutorado em Strasbourg dia 25 de setembro. Depois disso iremos para Paris. de Paris para o Brasil.

  16. Luigi
    Finalmente vamos conhecer parte da Alsacia seguindo suas dicas. Voaremos na ida dia 10 de maio e regressaremos no dia 22.
    Obrigado por suas dicas mais uma vez. Estamos um pouco preocupados porque vimos no clima tempo de lá que nessa época só tem 7 horas de sol?! E isso mesmo?
    Obrigado = antenor

    • Olá Antenor,
      Então, eu fiz parte dessa rota ontem, fica tranquilo que os dias são grandes o suficiente. Começa a clarear às 5h30 e a escurecer às 20h. Mas as viniculas, pelo menos parte delas, abre às 10h (ou 9h, num tenho ctz) faz uma pausa pra almoço, das 12h às 14h, e fecha às 17h.
      Amei cada segundo do passeio, pra qquem gosta de vinho aqui é o paraíso!!!!
      E o melhor lugar que estive foi na Marcel Deiss em Berghein, a degustação custa 15 euros mas vale cada centavo!!! Foram os melhores vinhos que já tomei na minha vida e uma experiência excepcional, sem contar que o atendente é extremamente simpático.
      Uma boa viagem, é aproveite bastante. =]
      Ps: outro lugar que eu estive é adorei foi na vinícola Koehly que fica em Kintzheim na “rue du Gen de gaulle” que é caminho para o Castelo citado aqui no post. Lá experimentei um cremant e o melhor gewurtztraminer.

  17. Olá Luigi! Parabéns pelo site! Informações valiosas e muito bem escrito!
    Amo viajar, já carimbei o meu passaporte em 33 países e desta vez eu e meu marido decidimos ir a Alsácia em dezembro para ver as decorações natalinas. Sempre alugamos carro e, gostaria de saber se tem muita neve no período de 6 a 20 de dezembro, pois adoramos rodar pelas regiões de forma independente. Grata!!!!

    • Olá Marilucia,
      Estava dedicado a outras tarefas e só agora pude responder as mensagens no site. A feira de Natal de Strasbourg é uma das mais famosas da Europa. Cada ano é diferente, mas normalmente só neva mais pesado no alto dos Vosges. No vale, por onde passa a rota dos vinhos, é bem menos e mais para o final de dezembro.

  18. Olá Luigi! Parabéns pelo site! Suas dicas são otimas e vc escreve muito bem!!
    Gostaria de fazer essa rota dos vinhos da Alsacia em Março. Li em alguns sites que no inverno algumas cidadezinhas ficam parecendo “cidades fantasma”. É verdade? Dessas cidades menores quero conhecer, principalmente, Riqwir e Ribeauville. Vale a pena ou fico só nas cidades maiores?
    Obrigada.

  19. Maravilhoso. Uma verdadeira Aula sobre Rotas, Vinícolas, enfim, Alsace tem de ser conhecida por qualquer pessoa, um dia. Obrigada.

  20. Boa noite,Luigi

    Vou à Alsácia na segunda quinzena de novembro/14.Ficarei hospedada em Strasbourg e pretendo conhecer também Colmar,Riquewirh,Hunawirh,Ribauville e Equisheim…Em cinco dias conseguirei fazer isso?É possível ir nas cidades menores de ônibus,pois vou sózinha e não me animo a alugar carro?Há excursões para as cidades pequenas partindo de Strasbourg ou Colmar?E a temperatura média nesta época?Chove lá nesta época?Puxa…acho que é isso e agradeço desde já,

    • Caro Luigi
      Como sou descendente de alemão gostaria de fazer a rota dos vinhos pelo lado da alemanha, isto e possível? Existem vilas que se dedicam ao vinho.?
      Ficarei feliz pelo seu retorno
      daniel stupp

      • Olá Daniel,
        Na região da Alsácia não, porque os terroirs bons estão na encosta dos Vosges. Do outro lado do rio, do lado alemão, não há nada com a mesma tradição e qualidade dos franceses. E nem as vilas são tão interessantes.

  21. Iremos em Dezembro , ficaremos em Colmar, gostaríamos de fazer a rota dos vinhos, existem empresas que fazem pacotes ou teremos que alugar carro?

    • Luigi e amigos, apos conhecer a Alsace, recomendo ir a Baden Baden, na Alemanha. Fica uns 40 km de Estrasburgo.

      A cidade e linda. E onde os principes, reis e czares passavam as ferias de inverno.

      Tem uma terma lindissima, Caracala.

      No supermercado da Wagener, no centro, compre u,ma garrafa de Governo Toscano, um dos melhores italianos que ja tomei. Deixa o Gaia, Antinori e Amarone muito atras.

      Saude a todos

  22. Luigi, fiquei encantada com os seus comentários sobre Estrasburgo. Irei agora em outubro e já viajei só lendo suas palavras deliciosas e comentários fantásticos, que nos levam a imaginar, admirar e apreciar a cultura francesa. Vou ‘a França quase todos os anos e sempre procuro ir a lugares novos. O da vez é Estrasburgo. Amei o texto sobre fast food e slow food. “Viver em uma cidade feia e suja, comer uma comida por comer, beber por beber faz toda a diferença: a vida fica sem graça e monótona…” Pura verdade. É por isso que amo tanto a França.

  23. Grato pelas informações. Muito boas!
    Vamos em dois casais dia 14/9 ate 18/9 chegando por Estrasburgo.
    Descemos de carro até Mulhouse e dai seguimos para Munique (Oktoberfest).
    Nesta epoca ocorrerá algum festival ao deus Baco ou ja aconteceram?
    Penso em seguir pela rota ate Colmar e depois pela A35 para Mulhouse.
    Duvida é se posso deixar para escolher hotel ao chegar nas cidades pequenas ou preciso reservar com antecedencia? Em Estrasburgo e Munique ja tenho hotel reservado e pago.
    abraços, darcy.

  24. Olá Luigi! Estou indo na quinta-feira (14/08) para Strassbourg e adorei suas dicas. Uma duvida: existe algum lugar especifico para alugar as bicicletas para a rota do vinho? Obrigada!

    • Milena, vi na sua pergunta, e pela data, ou está ou já passou pela cidade. VC fez a rota dos vinhos Grand Crus? Se sim, reservou as vinícolas antes, ou foi na hora? Obrigada. Abc, Chris

  25. Olá Luigi. Adorei suas fotos e todas as suas informações e já anotei muitas coisas aqui, serão muito úteis. Gostaria de te fazer uma pergunta. Estou indo fazer esta rota logo no início de Janeiro 2015, logo após o Reveillon, gostaria de saber se as estradas ficam com neve sendo perigoso ou se há sempre manutenção onde a neve é retirada? Esta é minha única preocupação. Ficaria muito agradecida por sua resposta. Obrigada, Dani.

  26. Olá, Luigi! Seu relato sobre a região da Alsácia é apaixonante, minha vontande em conhecer, só aumenta. Estou indo no final de outubro. Penso em passar uns dias em Paris, depois ir de trem para Estrasburgo e de lá alugar um carro e fazer essa rota dos vinhos. Percebi que as cidades são muito próximas, imagino que o caminho seja lindo. Como vc morou, por favor vc pode esclarecer algumas dúvidas?
    As estradas são seguras? Será um caminho de rota dos vinhos, mesmo sendo degustação…rs, existe fiscalização, tipo lei seca? O que preciso para alugar um carro, algo especial? Obrigada e parabéns pelo site. Abraço, Chris

    • Estou encantada com suas colocações e fotos. Estarei em Estrasburgo de 25 a 29 de outubro, e tb penso em alugar um carro, assim meu interesse na resposta desta pergunta qto as estradas. Grata

  27. Caro Luigi, Foi uma sorte encontrar seus comentários sobre a Alsácia. As fotos estão bonitas e a descrição tem as informações que precisamos. Conhecemos um pouco outras regiões da França, mas é a primeira vez que vou com minha esposa à Alsácia. Temos três perguntas que gostaríamos de seus comentários. 1. No mês de junho vamos encontrar muita diferença com o que você mostra em suas fotos? 2. Podemos encontrar pacotes turísticos para a Rota dos vinhos nos hotéis de Estrasburgo? Que tal alugar um carro em Estrasburgo? Muito agradeceríamos sua opinião.

  28. Luigi,
    Vamos para Toscana em Setembro/Outubro próximos.
    Há necessidade de se reservar os hotéis nos vilarejos do roteiro ou podem ser encontradas disponibilidades na hora?
    Gostamos de nos hospedar em pousadas, ou pequenos hospedagens. Gostaríamos que fossem lugares bem regionais.
    Para fazer o roteiro de Toscana, excluindo Florença, quantos dias são necessários?
    Parabéns pelo site…. o melhor que vimos…
    Obrigada e abraços,
    Marlene

  29. Luigi, gostaria de saber se o mês de agosto é bom pra eu conhecer Alsacia e se ainda é calor, pq eu odeio frio kkkk

    Obrigada.

  30. Olá Luigi, adorei esse seu post. São excelentes dias e um dos posts mais completos que li sobre o assunto. Vou visitar a região com meu marido em Junho próximo, chegamos na manhã de uma segunda-feira em Estrasburgo e partiremos na quarta-feira à noite, então temos somente 3 dias. Infelizmente não poderemos seguir todo os seu roteiro pela restrição de tempo. Mas gostaria de dicas suas para aproveitar o máximo deste lindo lugar neste tempo que temos. O que você sugere pra nós?
    Estamos pensando em alugar um carro em Strasburgo e nos hospedar próximo de Colmar. Encontrei alguns hoteis no Centro da cidade, mas também achei opções mais afastadas da cidade… como Husseren-Chateaux e Niedermorschwihr… com hospedagens bem romanticas, distantes cerca de 10km de Colmar. Será que são de facil acesso? Faceis de localizar? Seria ruim ficarmos assim meio distantes de Colmar ou com o carro essas distancias sao tranquilas? O que vc nos sugere?

  31. Luigi
    As vilas mais interessantes, tais como Riquewir, estão entre Strasburg e Colmar?
    Se voce puder enviar a informação para o meu email, desde já agradeço
    antenor

  32. Parabéns, estou pesquisando roteiros na Alsácia e suas dicas me pareceram as mais bacanas até agora. Irei com minha namorada pra região em junho; via Frankfurt, ficando uns 2 dias em Heidelberg e depois Alsácia, tudo de carro. temos uns 7/8 dias, adoramos slow travel e pequenos vilarejos; minha ideia era ficar baseado num deles e passear diariamente. Achei Colmar meio grande… Ajude~me por favor!

    • Olá Ricardo,
      Aconselho Strasbourg, que é uma cidade mágica. Embora seja relativamente grande, é um outro conceito de cidade e uma visita à Alsácia sem Strasbourg é como ir a Vêneto sem ir a Veneza. A não ser que vocês já conheçam lá. Mas é um ponto de partida interessante porque vocês terão programas à noite quando voltar dos passeios e nos vilarejos é um ou outro restaurante que fica aberto.

  33. Olá Luigi, adorei suas dicas. Tudo é muito lindo. Vou para Alsácia ( 3 dias) e conhecerei a rota do vinho e gostaria depois de ir à Alemanha ( tenho 4 dias). Partindo da Alsácia, o que você me sugere: região do Reno, do Mosel, Rota românitca ou a Floresta Negra. Retorno para o Brasil por Paris. Obrigada.

  34. Excelente texto. Super útil, auxiliou em muito o meu planejamento de viagem. Grata :-)

  35. Luigi, estou viajando para frança em maio e irei para strasbourg e de lá ou de colmar alugarei um carro e farei esta rota do vinho com a minha esposa, a minha grande duvida é: nós adoramos vinhos e pelo que eu li, na frança a tolerância para quem bebe e dirige é muito baixa o indice de alcool no sangue. Vejo todo mundo dizer que fez essa rota e tal, mas em nenhum site encontrei comentários de que alguem ficou sem beber, posso até tá fazendo uma pergunta meio obvia, mas como você já fez e conhece, o que poderia me dizer?
    muito obrigado,
    sergio

  36. Usei este roteiro maravilhoso da Alsácia para montar minha viagem nesta região. Amei as dicas.

  37. Presado Luigi: obrigado por enviar o mapa da Rota Dourada. Estamos adaptando suas excelentes dicas ao roteiro que pretendemos fazer, ou seja, depois de Equisheim, vamos até Mulhouse, passando pela vilas no caminho, incluindo Guebwiller e Than. Você tem noção em quantos dias mais será preciso para explorar também esta região? Não queremos perder nada!
    Obrigado. Abraços, Claus Bernardo

  38. Olá a todos:
    Fiz esta viagem há 3 semanas e estou cheia de saudades daquilo que vi. Tudo é maravilhoso e duma beleza única. Visitei Colmar, Riquewihr, Estrasburgo entre outras cidades e vilas e foi uma viagem de sonho, aconselho a todos pois vão gostar Parabéns pelo site.

  39. Parabéns pelo relato, muito interessante e completo. Moro na serra gaúcha e estou me dedicando um pouco ao mundo do vinho, kkk. Estou planejando uma viagem a França e Estrasburgo já estava no meu roteiro,mas me interessei muito por essa rota, minha dúvida é a seguinte poderei aproveitar a rota no inverno(só posso viajar em janeiro). Acredito que não esteja tão bonita,mas ainda assim pretende conhecer as vilas da região.

    • Olá Rossano,
      Acho que terá dificuldades em encontrar vinícolas abertas nessa época. Cheque antes nos sites de algumas vinícolas se estarão abertos ao público nessa época.
      Abraços,
      Luigi

      • Irei confirmar sim, mas você acha que mesmo assim, vale o passeio? e qual o melhor meio de transporte? Carro ( e as degustações, problema com a polícia?) ou ônibus?
        obrigado

      • Irei confirmar sim, mas você acha que mesmo assim, vale o passeio? e qual o melhor meio de transporte? Carro ( e as degustações, problema com a polícia?) ou ônibus?
        obrigado

  40. Fui agora em junho para a Alsácia e minha viagem foi maravilhosa, principalmente devido às suas dicas. Amamos os vinhos da Fréderic Engel & Fils. Foi engraçado, pois a loja é pequenina e escondida. O rapaz que nos atendeu perguntou: vocês são do Brasil? Muitos brasileiros aparecem por aqui. É por causa de uma reportagem, não é? Nunca fizemos propaganda de nossos vinhos na América do Sul…

    Obrigada!

    • Fantástico! Que legal ouvir isso. E fico contente que as pessoas tem gostado desse artigo e fico contente que ele, que produz um excelente vinho e cobra pouco por isso, esteja sendo beneficiado. Você sabe se ele já viu essa matéria?

  41. Sr. Luigi, boa noite: estamos programando viagem para Alsácia a partir de junho/14.
    Estamos satisfeitos em ler e reler seus comentários sobre a região, que nos serão muito úteis. A observação que ora fazemos é de que o mapa das cidades que compôem a “rota dourada” não estamos conseguindo abrir apesar das tentativas em vários equipamentos. Assim, sabedores de sua dedição em atender aos que ao Sr. se dirigem, solicitamos nos enviar, via anexo de e-mail, o referido mapa. Acreditamos que será de uma utilidade imensa. Desejamos sucesso em todas as suas atividades.
    No aguardo. Abraços, Claus Bernardo

    • Olá Claus,
      Desculpe a longa demora em responder. Estava tão ocupado e viajando a trabalho que tive que adiar algumas coisas.
      Mandei o mapa para o seu email. Provavelmente você deve estar usando alguma versão do Internet Explorer que não tem flash player instalado.
      Use um navegador melhor como o Google Chrome ou Firefox e dificilmente terá problemas em visualizar.
      Abraços,
      Luigi

  42. EU SOU APAIXONADO PELO INTERIOR DA FRANÇA

  43. Luigi,

    Primeiro meus parabéns pela iniciativa. Tenho 2 perguntas.
    1 – Novembro seria um bom mês para visitar está rota?
    2 – Para um roteiro de Strasbourg até Colmar, passando por todas as vilas que vc. mencionou,não indo de carro, terei dificuldades de locomoção? vc. sabe dizer se tem ônibus?

    • Olá Walter,
      Novembro já estará um pouco frio e quanto mais para o final de novembro, mais frio. Isso limitará um pouco os passeios mas continua valendo.
      Não sei se existe ônibus fazendo essa rota.

  44. Caro Luigi, boa tarde.

    Adorei seu post, a ponto de alterar a rota de viagem que estava fazendo com alguns amigos. Pensamos em fazer a rota de carro, devido as vantagens que você citou. Mas fiquei preocupado apenas com o fato de usarmos o carro, enquanto degustamos os vinhos. Seria perigoso em termos de polícia? Se não escolhermos um motorista da vez, imagina que teremos problemas? Grato pela ajuda.

  45. Ola Luigi,

    Sou brasileiro mas moro na França a dois anos, e fui recentemente fazer a rota de vinhos en Alsace, foi uma experiencia incrivel e muito agradavel, muitas historias e pessoas realmente simpaticas, bem diferente da regiao parisiense !!! Pena que o tempo nao ajudou muito pois chovia bastante,mas fui em todos os lugares possiveis e inimaginaveis!!! Uma visita que vale a pena fazer !!!
    Parabens pelo site!!!

    Cesar Dell

  46. Ola Luigi em primeiro lugar Bom Dia e Parabens por este trabalho maravilhoso que vc oferece a todos nós.Eu gostaria que vc me orientasse ,se fosse possível, pois eu vou vir de Innsbruck para Estrasburgo,de trem,gostaria de saber se na conexão em Munique é facil e sem complicação com tempo para a troca de trem .Devo comprar as passagens aqui no Brasil? Tenho receio de não encontrar lá.Obrigada.

    • Olá Vanda,
      Lamento não poder te ajudar pois nunca fiz essa rota de trem.
      De qualquer forma, é sempre bom tentar antecipar a compra das passagens, até porque fica bem mais em conta comprando antes.
      Abraços,
      Luigi

  47. Luigi. E primeiro lugar, parabéns pelo site. Estou indo a Estrasburgo (6 dias) em agosto de 2013 junto com minha esposa. Estamos pretendendo alugar um carro para conhecer a rota do vinho. Iremos até Colmar (4 dias).Minha dúvida é:
    Vejo pelo Google que tem a estrada A 35.Porém, acredito que para desfrutar melhor é seguir até Obernai e de lá seguir pela estrada SEGUNDÁRIA e não pela A35. Estou certo ou você acredita que pela A 35 seria melhor?
    De Colmar onde entregarei o carro seguirei para Paris de TGV.
    Obrigado. Dilson

    • Olá Dilson,
      Talvez você não tenha visualizado o mapa do google maps que está no artigo por alguma incompatibilidade com seu navegador ou tablet, mas ele indica precisamente a rota de vinhos traçada em azul e marca as vilas. Trata-se realmente de uma estrada secundária, paralela à A35 à partir de Obernay.

  48. Olá Luigi!
    Li agora seu post sobre a rota do vinho da Alsácia e será muito útil pra mim e meu marido, pois ano que vem, faremos uma viagem pela Alemanha e Alsácia, incluindo o Rio Reno, Mosel e região vinícola da Alsácia. Estamos justamente empolgados em conhecer os vinhos, pois este ano completamos o curso da ABS e adoramos degustar vinhos.
    Eu vou em maio, será que é uma boa época? E esta rota de bicicleta, vale mesmo a pena? Pergunto isto porque estaremos de carro. Vc acha melhor deixar o carro e conhecer as vinícolas de bike?
    Sou também formada em gastronomia e escrevo um blog (www.namesacomluhazin.wordpress.com) de forma que me interesso por tudo que envolva a gastronomia. Se vc puder indicar bons restaurantes em Estrasburgo e Colmar eu agradeço!
    Abs,
    Luciana

    • Olá Luciana,
      Maio é uma época ótima. Se está de carro pode aproveitar mais e a logística fica bem mais simples. Passe em um bom supermercado, compre tortas salgadas, os sucos são maravilhosos e leve para fazer piquenique. Há pontos de piquenique por todos os lugares. E reserve antes nos restaurantes para não ter surpresas.
      Seguem algumas dicas de restaurantes:

      Restaurantes Estrelados

      O melhor é um 3 estrelas do Guia Michelin em uma cidadezinha a apenas 15 Km de Colmar, chamada Illhaeusern.
      É o famoso Auberge de l’Il
      Auberge de l’Ill
      2 r. de Collonges-au-Mont-d’Or F – 68150 Illhaeusern.
      Ele está no Guia Michelin com 3 estrelas há uns 40 anos.

      Há outros dois com 1 estrela em Colmar. Entre no Via Michelin. Lá tem a faixa de preços de cada restaurante no almoço e no jantar (inclusive do Auberge-de-Ill) e detalhes como endereço e telefone.
      Em Strasbourg só tem de 1 estrela, mas eram mais caros do que esse 3 estrelas.
      Esse é somente para o jantar, bem caro:

      Au Crocodile
      http://www.viamichelin.fr/web/Restaurants?strMerged=strasbourg&strAddress=&c22=0&c16=0#resultSearch@address=&merge=67000%20Strasbourg&sK=1424&sejour=&michelin=false&arrivaldate=&nights=&people=&c4=1

      Essa é uma boa pedida para o almoço, dentro do parc Orangerie. É um lugar charmoso, também não muito barato:
      Buerehiesel
      http://www.viamichelin.fr/web/Restaurants?strMerged=strasbourg&strAddress=&c22=0&c16=0#description@poi=8711_41102

      Restaurantes bons e baratos:
      Se quiserem almoçar dentro do Orangerie há um outro restaurante em frente ao lago principal que é uma delícia e é muito mais barato. Eu almoçava lá uma vez por semana. Mas não me lembro o nome. Não precisa reservar. Não tem erro, ele fica bem em frente ao lago.

      Mas se vocês estiverem lá na Petite France na hora do almoço, vocês devem ir em um restaurante que é charmoso, não é caro e eu achei uma delícia (tem um excelente Crème Brûlée):

      Au Point Saint Martin
      http://www.pont-saint-martin.com/index.php

      Mas talvez o que tenha uma das melhores relações custo/benefício é este, bom para o jantar:
      Le Clou
      3 Rue du Chaudron
      http://www.le-clou.com/

      Outro gostoso, ao lado da Catedral:
      Au Vieux Strasbourg (Cathédrale)
      5 Rue du Maroquin

      Abraços,
      Luigi

      • Graaaandes sugestões e excelente ajuda vc me deu Luigi! Muito obrigada! Estou ainda mais empolgada com a minha viagem enogastronômica, rsrs.

      • Estou anotando tudo!!! Vou passar julho lá… Nos fim de semana irei fazer cidades vizinhas… vc tem dicas? Pensei na Alemanha, na própria França… Suiça. Belgina e no máximo Holanda… Coisas viável.. no máximo 3 horas de deslocamento!

    • Luciana, estou na Alsacia, eh muito fácil se locomover de carro. Eh tudo muito lindo! As vilas sao encantadoras, comida deliciosa, povo hospitaleiro!

  49. Caro Luigi, achei suas dicas completissimas, eu que sempre fui um curioso pela região e por seus vinhos amei suas dicas e ja registrei para fazer o circuito em julho juntamente com minha companheira. Caro, em Colmar e Estrasburgo voce não teria uma boa dica de hospedagem para um casal? Outra pergunta seria as duas ou apenas uma cidade que você recomenda para pernoite na rota dos vinhos e se tiver uma dica de hotel melhor ainda…?

    Mais uma vez parabens pelo belo trabalho.

    Pedro.

    • Prezado Pedro,
      Recomendo conhecer bem Estrasburgo e lá pode ser o seu ponto de partida para conhecer a rota dos vinhos. Não conheço hotéis em Colmar, mas em Estrasburgo eu mencionei alguns hotéis para parentes e amigos e eles acabaram gostando.
      O mais simples e baratinho é um que fica quase em frente à estação de TRAM, Futura Glacière. O hotel era da rede Etap, que agora foi incorporada pela rede Ibis. Aqui está o link: http://www.ibis.com/gb/hotel-2563-ibis-budget-strasbourg-palais-des-congres-ex-etap-hotel/index.shtml#
      Outro bem melhor é o Hotel Maison Rouge. Fica super bem localizado, perto da Place Kleber, em frente a maior livraria de Strasbourg e com um bom preço.
      Recentemente uma leitora ficou no Hotel Regent Contades e me escreveu dizendo ter gostado bastante.
      Então ficam essas sugestões.
      Abraços,
      Luigi

  50. Loigi parabéns pelo seus comentários sobre rota do vinho das Alsacia, gostei de tudo e vou programar uma viagem. No mês de maio vou passar 2 noites em Estrasburg. Pode me dar endereço onde comprar vinho da rota das Alsacia? Estes que da as dicas: Marcel Deiss, Frederic Engel,desta vez não vou ter tempo de ir nas vinícolas.
    Obrigado.
    José Inácio

    • José Inácio,
      Eu não vou saber dizer onde você pode encontrar esses vinhos especificamente, porque eu comprava sempre direto das vinícolas. Talvez você tenha que escrever para eles e perguntar onde encontrar os vinhos em Estrasburgo.

 Escreva um comentário

(requerido)

(requerido)

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>