dez 082010
 
Por Luigi Rotelli

Dois personagens muito inteligentes, racionais, com visão espacial e raciocínio matemático desenvolvido e capacidade de antever situações em cenários preditivos complexos. Um é marceneiro, outro é engenheiro de tráfego.

Dois grandes atores, dois craques do cinema, em uma atuação incrível, inesquecível: Rodrigo Santoro e Leonardo Medeiros. A densidade que ambos conferem aos seus personagens é raro e impressionante de se ver.

O filme Não Por Acaso me cativou imediatamente, logo na primeira cena. É uma daquelas jóias do cinema nacional que foi relativamente bem sucedido de público mas evidentemente não é o tipo de filme feito para explodir nas bilheterias e agora é um tesouro perdido nas prateleiras das lojas e locadoras, esperando ser encontrado.

O primeiro longa metragem de Philippe Barcinski, diretor e co-roteirista no filme, é extraordinário. Tem uma belíssima trilha sonora de Ed Cortes e foi produzido por Fernando Meirelles.

A história desses dois personagens principais não é aquela tradicional que se desenrola em paralelo e depois em algum momento se encontram. O roteiro é bem mais original. As histórias seguem em sentidos caóticos, como é a vida. De vez em quando se aproximam em eventos que envolvem ambas histórias, ocorrem pontos de interseção sem que um tome conhecimento do outro.

Leonardo Medeiros tem uma atuação tão impressionante que parece que nossos olhos podem entrar pelos olhos dele e enxergar sua alma, sentir sua angústia, sua infinita solidão e tristeza. Acompanhem a cena com a trilha sonora:

Ambos tem em comum, além do aspecto racional, também o emocional. A despeito da enorme inteligência preditiva, afeita à beleza matemática de enxergar a ordem na desordem, de encontrar um padrão no caos aparente e organizá-lo, eles tentam mas não conseguem controlar a própria vida, ambos são travados emocionalmente.

O engenheiro de tráfego que planeja e organiza brilhantemente o transito de uma grande cidade ironicamente sofre o bloqueio de suas próprias angustias. O marceneiro que fabrica mesas de sinuca e consegue antever jogadas de simetrias perfeitas, fazer cálculos sutis de ação e reação para determinar a posição da bola branca, tem sua vida emocional presa em uma sinuca em que ele é adversário de si mesmo.

O tempero da vida de ambos acontece pela intervenção nada sutil das mulheres, personagens essenciais no filme.

Letícia Sabatella tem uma atuação fascinante, expressiva. Seu rosto, seus gestos e sutilezas de expressão conferem uma densidade admirável à personagem. Ela oferece um contraponto feminino à angustia masculina de querer controlar racionalmente os eventos da vida.

Rodrigo Santoro transpira todo o sentimento, encarna o marceneiro até nas unhas sujas de cera e breu, mão de quem trabalha a madeira, trabalho que a fotografia caprichada enaltece.

Um filme intimista como poucos, que já faz parte do meu acervo de tesouros.

TÍTULO ORIGINAL: Não Por Acaso
LANÇAMENTO: 2007
DIREÇÃO: Philippe Barcinski

CO-PRODUÇÃO: Globo Filmes, O2 Filmes
DISTRIBUIÇÃO: FOX Filmes do Brasil
ELENCO:
Rodrigo Santoro . . . Pedro
Leonardo Medeiros . . . Ênio
Letícia Sabatella . . . Lúcia
Branca Messina . . . Teresa
Rita Batata . . . Bia
Cacá Amaral . . . Tobias
Ney Piacentini . . . Nogueira
Graziella Moretto . . . Mônica
Silvia Lourenço . . . Paula
Giulio Lopes . . . Jaime
Cássia Kiss . . . IolandaFICHA TÉCNICAProdutores: Fernando Meirelles, Andrea Barata Ribeiro, Bel Berlinck
Roteiro: Phillippe Barcinski, Fabiana Werneck Barcinski, Eugênio Puppo
Produção Executiva: Bel Berlinck, Claudia Büschel
Produção de Elenco: Cecília Homem de Mello
Diretor de Fotografia: Pedro Farkas
Direção de Arte: Vera Hambúrguer
Trilha Sonora: Ed Cortes
Montagem: Márcio Canella
Produtor Associado: Daniel Filho

Artigos relacionados:

  3 Comentários para “Não por acaso”

Comentários (3)
  1. Não conhecia o filme até ontem, quando asssisti pelo Canal Brasil.
    Revelafor , mais pelo que não diz do que pelo que diz. Sutil. Humano.Absorvente.
    Leonardo Medeiros, um ator impregnado pela arte do cinema.

  2. …e um comentário intimista como poucos, também. Gostei muitíssimo da resenha e das cenas que vc escolheu. Razão e sensibilidade trabalharam juntas para compor o artigo. Parabéns e obrigada!

  3. Assisti o filme no cinema, quando foi lançado. Também me tocou muito: diferenciado. E o Leonardo Medeiros é um extraordinário ator de cinema (“Lavoura Arcaica”, “Cabra-Cega”, “Feliz Natal”, “Budapeste”, etc.), que só agora está sendo conhecido pelo público da televisão.

 Escreva um comentário

(requerido)

(requerido)

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>