jan 032011
 
Pequeno Poema Didático

O tempo é indivisível. Dize,
Qual o sentido do calendário?
Tombam as folhas e fica a árvore,
Contra o vento incerto e vário.

A vida é indivisível. Mesmo
A que se julga mais dispersa
E pertence a um eterno diálogo
A mais inconseqüente conversa.

Todos os poemas são um mesmo poema,
Todos os porres são o mesmo porre,
Não é de uma vez que se morre…
Todas as horas são horas extremas!

Artigos relacionados:

  3 Comentários para “Mário Quintana – Pequeno Poema Didático”

Comentários (3)
  1. tempo é indivisível. Dize,
    Qual o sentido do calendário?
    Tombam as folhas e fica a árvore,
    Contra o vento incerto e vário.

    A vida é indivisível. Mesmo
    A que se julga mais dispersa
    E pertence a um eterno diálogo
    A mais inconseqüente conversa.

    Todos os poemas são um mesmo poema,
    Todos os porres são o mesmo porre,
    Não é de uma vez que se morre…
    Todas as horas são horas extremas!

    Compartilhe:

    Artigos relacionados:
    Um Poema por Semana: Alberto Caeiro
    Um Poema por Semana: Miguel Torga
    Um Poema por Semana: Alexandre O’Neill
    Um Poema por Semana: Eugénio de Andrade
    Um Poema por Semana: Luís Vaz de Camões
    Jean-Arthur Rimbaud: O Barco Bêbado

  2. poema ajudo mais eu nem li esse poema deve se ruim

  3. O poema que eu li na Casa de Cultura Mário Quintana em Porto Alegre e que me identifiquei imediatamente:

    Nada como não fazer nada e depois descansar.

 Escreva um comentário

(requerido)

(requerido)

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>