jan 052011
 
Por Luigi Rotelli

“Quando ampliamos nossa visão do mundo, nós aprofundamos nosso entendimento de nossas próprias vidas e cultura.”

Yo Yo Ma

A Rota da Seda

Clique para ouvir Mohini (Enchantment):

A música retorna no tempo a mais de dois milênios quando já circulavam caravanas de mercadores entre desertos e tempestades, montanhas geladas, florestas e planícies de dimensões sobre humanas. Uma rota de milhares de quilômetros que até hoje instiga a imaginação das pessoas desde o relato detalhado da viagem de Marco Polo, que partiu de Veneza para a China em 1271 e retornou 24 anos depois, em 1295, tendo percorrido mais de 24.000 km; a rota que conectava a Europa e a Ásia em um comércio de especiarias, que mudou a face de nosso planeta, afetou o destino de milhões e culminou com a descoberta de nosso continente durante a busca de uma alternativa marítima para o oriente.

Ela vagueia na imensidão de paisagens distintas, entre culturas e costumes exóticos, cidades lendárias em diferentes países, da China à República de Veneza, passando pela Índia, Mongólia e Persia. Entre centenas de línguas: albanesa, grega, árabe, caucasiana, iraniana, hindustâni, altaica, dravidiana, chinesa… e  entre diferentes doutrinas e religiões: confucionismo, taoismo, budismo, hinduísmo, judaismo, islamismo e cristianismo.

A música do Silk Road Ensemble ocupa toda a minha sala de música, o palco sonoro se expande, as paredes se dissolvem e só resta a música e a imaginação.

A Viagem de Marco Polo em fotos (Galeria do fotógrafo Michael Yamashita)

“Estas iniciativas são para ver as múltiplas perspectivas do mundo, aguçando a imaginação e fazendo as pessoas sonharem.”

Yo Yo Ma

Acompanhe essa incrível jornada do fotógrafo Michael Yamashita pela rota da seda, publicada na National Geographic, ao som da música Distant Green Valey, do Silk Road Ensemble (clique no player abaixo para ouvi-la):

 

Silk-Road

[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_a-pagan-burma-temples-monasteries_myanmar.jpg]80
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_binded-feet-yunnan-province.jpg]70
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_chesmeh-genu-mineral-tinted-water.jpg]60
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_china-enchant-factory-workers.jpg]40
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_cooking-silk-worms.jpg]30
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_description-of-the-world.jpg]30
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_drying-cloth-gujarat_india.jpg]30
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_dunes-china-taklimakan-desert.jpg]40
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_elderly-smoking-opium.jpg]40
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_genoas-palazzo-san-giorio-reflection.jpg]40
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_kurdish-wedding-party.jpg]40
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_marco-polo-mosaic.jpg]30
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_mountains-wind-storm.jpg]20
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_muslin-clothe-alfaiate-baghdad.jpg]20
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_northern-alliance-officers_afeganistao.jpg]30
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_peaka-dams-pilgrimage-site_srilanka.jpg]20
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_sadhu-ascetic-holy-men_india.jpg]20
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_tajik-children-xinjiang-china.jpg]30
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_venice-grand-canal.jpg]20
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_villagers-pull-in-nets_india.jpg]20
[img src=http://www.entreculturas.com.br/wp-content/photogallery/silk-road/thumbs/thumbs_yellow-hat-monks_china.jpg]20

The Silk Road Ensemble

“Isto é sobre reconhecer o que é precioso para alguém e as preciosidades que cada cultura tem dado ao nosso mundo.”

Yo Yo Ma

O grupo é formado por músicos originários dos países por onde passavam as caravanas da rota da seda. Eles se uniram para explorar esse universo musical incrívelmente diverso e refazer musicalmente a rota que os antepassados fizeram por terra.

O próprio título de cada CD deste grupo reconta sua trajetória. Eles começaram como estranhos que se encontram (When Strangers Meet), exploraram possibilidades musicais além do horizonte de espaço e tempo (Beyond the Horizon), se aprofundaram e criaram novas impossibilidades (New Impossibilities) que transcenderam fronteiras e chegaram em algum ponto fora do mapa (Off the Map).

Há muito desejo mostrar para vocês o trabalho desses músicos, que traduz a própria substância, a idéia central desse espaço Entre Culturas.

O violoncelista Yo Yo Ma é o fundador e diretor artístico do grupo, criado em 1998. No encarte do segundo CD, ele conta a história desse grupo interessantíssimo:

“Cinco anos atrás, o Silk Road Ensemble e eu começamos como estranhos encontrando pela primeira vez no chão idílico do Tanglewood Music Festival em Lenox, Massachusetts. Nós tínhamos chegados juntos de lugares tão distantes como Mongólia, China, Azerbaijão, Usbekistão, Tajiquistão, Irã, Armênia, Turquia, Índia, Japão e Coréia. Muitos de nós não tocavam as mesmas escalas ou falava a mesma língua. Alguns liam música, enquanto outros não. Em vez de nos separar, essas diferenças tiveram o efeito oposto de aprofundar nossa curiosidade para aprender mais sobre cada um. Nós descobrimos que hamburgeres na Mongólia eram “gamburgers”; que para um iraniano que cresceu no deserto, o verde de Tanglewood era “justo como ele imaginava que o paraíso seria”; e que a nossa paixão compartilhada pela música e pela curiosidade pelo mundo iria sustentar nossa amizade por muitos anos no porvir.

Com o tempo, nós começamos a aprender a música de cada um. Experimentalmente no início, nós compartilhamos simples melodias uns com os outros. Então, nós começamos as lições mais difíceis de aprender um aparentemente infinito conjunto de modos, escalas e padrões rítmicos. Quanto mais fundo nós íamos, mais nós descobríamos o quanto nós ainda não conhecíamos e maior o nosso universo musical se tornava. Quando nós começamos a ouvir a voz de cada outro em nossa própria execução, nós tomamos consciência das infinitas conexões – entre a escala persa e modo Azeri, por exemplo, ou a melodia chinesa e música folclórica Kazakh. Nos maravilhamos no quão sem limites e livres nós poderíamos ser com este novo conhecimento e festejamos o mundo sonoro de cada um.

Nossa primeira gravação foi um exercício em aprender o que acontece quando estranhos se encontram (When Strangers Meet). Essa segunda gravação (Beyond the Horizon) é sobre o rico entendimento musical e a confiança que nós desenvolvemos a medida que nos aprofundamos nestas tradições musicais. O ano passado nós retornamos a Tanglewood para criar a música para uma série de televisão de 10 capítulos sobre a Rota da Seda, produzida pela emissora japonesa NHK. Por mais de um ano nós atravessamos o globo de Nova York a Singapura, Tókio, Irã, Xianjing e Pequim para trocar idéias musicais. Esta gravação é nossa impressão musical desta jornada tanto quanto a mais longa que nós havíamos embarcado juntos como amigos cinco anos antes.

Sem uma inovação contínua, as tradições artísticas tornam-se sem vida. Para mim, a música neste álbum também cruza fronteiras de tempo e espaço, revelando a unidade entre aparentemente diferentes tradições… Estranhos não mais, nós viajamos mais longe do que jamais poderíamos ter imaginado. Nós esperamos que vocês aproveitem essa jornada tanto quanto nós.”

When Strangers Meet

Esse é o primeiro álbum do grupo. Faz parte desse álbum a música “Blue as the Turquoise Night of Neyshabur”, de Kayhan Kalhor.

“É um trabalho em uma forma persa noturna chamada ‘chahargah’, forma melódica que pertence à noite – especificamente, ao quarto tempo do dia, aquele entre a noite profunda e o início do amanhecer. Apesar disso, ela contém um nível crescente de envolvimento e excitação, muito similar em forma e significado à execução da raga indiana. Neyshabur é um sítio de cultura persa localizado no extremo nordeste do Irã, perto do encontro das fronteiras com o Afeganistão e Turcomenistão” – Joseph Stevenson.

 

Beyond the Horizon

O álbum é divido em 3 partes: Enchantment, Origins e New Begginings. Se você ainda não tem nenhum CD do Silk Road, aconselho a começar por este. Você já vai ficar encantado logo na primeira parte!

Yanzi (Origins)

Música folclórica tradicional do oeste da China e Kazakistão que fala de uma garota chamada Yanzi, elogiando os seus olhos brilhantes, pescoço gracioso e cabelos longos.

New Impossibilities

Arabian Waltz

“Impulsionada por complexos ritmos aditivos e linhas melódicas improvisadas, “Arabian Waltz” é uma obra do compositor libanês Rabih Abou-Khalil, cujas músicas fundem as tradições musicais do mundo árabe com a improvisação do jazz e técnicas de música clássica européia.” – The Silk Road Project

Off the Map

Neste excerto, The Ensemble e artistas convidados do Manhattan School of Music e University of Michigan tocam “Wa Habbibi” e “Tancas Serradas a Muru”, movimentos da música composta por Osvaldo Golijov, Air to Air.

Músicas do repertório do grupo ainda não gravadas em CD

White Snow in the Sunny Spring

A virtuosa da Pipa, Wu Man, toca “White Snow in the Sunny Spring.” Esta é uma das várias peças tradicionais chinesas para solo de Pipa, uma espécie de alaúde que tem sido um dos mais populares instrumentos da China desde a dinastia Tang.

Rustem

“O doce e sedutor violino solo em Rustem nos dá uma pequena visão de uma cultura que é unicamente global e ao mesmo tempo enraizada em uma tradição local. A música dos ciganos reflete a rica polinização musical cruzada de um povo sem fronteiras (chamados originalmente de Romanes), com uma inigualável mescla de instrumentos locais, linguagens musicais e estilos. Originalmente do norte da Índia, os nômades romanes migraram para a Pérsia e Europa cerca de 300 anos antes de Cristo. Eles finalmente se firmaram na Moldávia (atualmente Romênia), mas sofreram uma selvagem perseguição até meados do século XIX. Os europeus confundiram os Roma por Egípcios e cunharam o termo “gypsies” no século XV. Hoje a diáspora pode ser encontrada em quase todos os continentes.” – The Silk Road Project

Ascending Bird

“Ascending Bird é um arranjo de uma melodia folclórica tradicional persa feita pelos membros do Silk Road Ensemble,  Colin Jacobsen e Siamak Aghaei. O “Pássaro Ascendente” relata o conto mítico da tentativa de um pássaro de voar para o sol. Depois de fracassar duas vezes, na terceira tentativa o pássaro perde o seu corpo físico no abraço radiante do sol, uma metáfora para a transcendência espiritual.” – The Silk Road Project

Instrumentos usados pelo The Silk Road Ensemble

Instrumentos tradicionais do ocidente, como violoncelo, harpa e violino se misturam aos sons exóticos do sarangi, sheng, sheng, kamancheh, tabla, pipa, dudak, tar e muitos outros. Mas a história e a semelhança de conceitos entre alguns destes instrumentos mostra os traços da troca cultural que aconteceu ao longo desta rota durante milênios.

Bawu Cello Contrabass DuDuk
Bawu
Instrumento de sopro de palheta livre (China)
Violoncelo Contrabaixo
Duduk
Instrumento de sopro de palheta dupla (Armênia)
Erhu Kayagum Frame Drums Shakuhachi
Erhu
Uma espécie de alaúde com arco (China)
Kayagum
Cítara longa (Coréia)
Percussão
Família de tambores e percussão diversos
Shakuhachi
Flauta de bambu (Japão)
Galician Bagpipes Harp Jang-Go Kamancheh
Gaita de Foles Harpa Jang-go
Tambor ampulheta (Coréia)
Kamancheh
Violino da Pérsia
Morin Khuur Mugham Vocals Ney Oud
Morin khuur
Violino cabeça de cavalo (Mongólia)
Mugham vocals
Música vocal do Azerbaijão
Ney
Flauta da Persia/Azerbaijão
Oud
Alaúde sem trastes do oriente médio
Piano Pipa
Piano Pipa
Alaúde de pescoço curto (China)
Ruan
Alaúde chinês em forma de lua
Santur
Xilofone de martelo Persa
Sheng Tabla Tar Urtiin Duu (Long Song)
Sheng
Gaita chinesa
Tabla
Conjunto de tambores Indianos
Tar
Alaúde de pescoço longo em forma de coração duplo (Oriente médio)
Urtiin duu (longsong)
Canto lírico da mongólia
Viola Violin
Viola Violino

Para conhecer mais sobre o Silk Road Ensemble, visite o site oficial do grupo:

www.silkroadproject.org

Artigos relacionados:

  2 Comentários para “The Silk Road Ensemble”

Comentários (2)
  1. PARABÉNS! Trabalho maravilhoso, inteligente, ilustrativo. O bom gosto e a cultura transmitida nesse trabalho é o reflexo da história e da arte que todos deveríamos conhecer. Adorei!

  2. Tremendous to see universality and diversity getting together.
    Gorgeous iniciative that should happen in every area of human being,
    to recognize the deepest essence of everything.
    I expect greater and higher, and wider dinmension of our descovery of each other.
    We do not need to understand simply accept as the bebibg of understanding.

    I have a friend who also composed a music with the title the sil road, he is in Japan
    who knows you also can get to know his music.

 Escreva um comentário

(requerido)

(requerido)

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>