mai 232011
 
Por Luigi Rotelli

Dediquei as aulas 3, 4 e 5 ao estudo das técnicas de composição fora de centro, usando os pontos de atração, observados nas aulas 1 e 2, para compor a imagem e provocar um efeito harmônico ou uma tensão interessante.

Quem não acompanhou as aulas anteriores e caiu direto aqui, não viu as ressalvas e, portanto, achará insólito o que vou dizer agora, pois foge dos padrões habituais das aulas de fotografia e até mesmo em livros não são encontradas facilmente referências sobre o assunto: há ocasiões em que centralizar o tema produz o melhor resultado, o mais equilibrado e refinado. E há situações em que é absolutamente impensável outra composição que não a centralizada.

Entorno circular

Um desses casos é quando um assunto está envolvido, circundado por outro. É o caso desta belíssima foto daquele que eu considero um dos melhores fotógrafo de todo o mundo: David Doubilet.

Cardume de barracudas em volta do mergulhador no mar de Bismark, Nova Guiné. Foto: David Doubilet

Doubilet é especializado em foto sub, colaborador da National Geographic há muitas décadas. Eu tenho um livro dele belíssimo, chama-se Water Light Time. Esta foto está no livro e o resultado eu acho genial porque o centro é estático mas o movimento circular das barracudas fazem o entorno dinâmico. Difícil imaginar uma composição mais bem sucedida do que esta. Compor essa foto fora de centro me pareceria absurdo, pois o círculo pede um centro. Reparem na luz – de uma forma misteriosa as bordas ficaram negras, deixando apenas o círculo transparente, concentrando ainda mais o nosso foco no acontecimento. Ele tirou essa foto na década de 80 e ela foi publicada originalmente na edição de abril de 1988 da National Geographic.

Repare que algo semelhante acontece nessa outra foto de David Doubilet. O peixe palhaço protegido pelas anêmonas. A composição ficou linda e ele está no centro. E isso acontece por causa do entorno destes belos tentáculos transparentes com bolhas.

Peixe palhaço (clownfish) em uma bubble-tip anemone. Foto: David Doubilet

As anêmonas mesmo sésseis balançam para lá e para cá, acompanhando o vai e vem da água do mar e o pequeno Nemo no centro está parado, flutuando, envolvido pelos tentáculos de bolhas. O desbalanço para o lado esquerdo dá a noção desse movimento. E nossos olhos encontram os dois olhos dele. Acredito que essa foto não teria o mesmo impacto se o peixinho estivesse de lado ou de costas.

Outro exemplo. O mesmo princípio, desta vez em uma foto do famoso fotógrafo francês Yann Arthus-Bertrand, especializado em fotos aéreas e autor de livros belíssimos como La Terre vue du ciel. Nesta foto, a árvore, provavelmente tombada por raio, queimou e as cinzas fixaram a silhueta perfeita da árvore. Um belo contraste com as árvores do entorno. Foto perfeita com o tema no centro.

Árvore queimada em floresta na Costa do Marfim, África. Foto: Yann Arthus-Bertrand

Aqui, outra foto aérea de Bertrand, uma mistura de contorno com simetria, as árvores e os seus reflexos, em outro exemplo bonito de composição com um tema no centro.

Área alagada próxima ao Rio Saône, Região do Rhône, na França. Foto: Yann Arthus-Bertrand

Linhas radiais ou concêntricas

Um outro caso em que a composição centralizada é bem vinda é quando linhas convergem para o centro. Essa foto abaixo, de Yann Arthus-Bertrand, é um exemplo clássico. É uma árvore, uma Acácia, no meio de uma savana no Quênia. Suas folhas são apreciadas pelos animais selvagens e, de tão procurada, os animais sulcaram trilhas que irradiam para o centro. Como transmitir essa idéia sem colocar a árvore da vida no centro?

Árvore da vida. Foto: Yann Arthus-Bertrand

Linhas concêntricas de um girassol ou as linhas radias das flores agem da mesma forma, praticamente pedem uma centralização. Olha que lindo contraste de cores irradiando do centro:

Foto: Stefan Perneborg

Simetria

A simetria é, em si, uma técnica de composição e nós vamos tratar dela especificamente em outra aula. Importa anotar aqui que quando fazemos uma foto simétrica, como um reflexo na água, a não ser que haja outros elementos na foto (veremos esse caso depois), em vez de colocarmos a linha do horizonte no terço superior ou inferior, o horizonte simétrico fica melhor bem no meio, como nessa bem-composta foto abaixo:

Lake of the Moon, India. Foto: Dhurjati Chatterjee

Ou também aqui:

Centro de performance de artes de Pequim. Foto: Lance McMillan

Close-up

Quando fotografamos uma pessoa, animal ou inseto em close-up, não há mal em colocar o sujeito no centro. Fica ao gosto do fotógrafo e funciona bem, especialmente quando o sujeito está olhando de frente. Veja a foto abaixo. É como você faria encarando um predador na vida real. Duvido que você iria olhar para ele no terço, no canto ou na proporção áurea. Entã0, nesse caso a foto pode transmitir melhor essa tensão no meio, um olhar direto com nossa visão central.

Cão selvagem de Botswana. Foto: Ijaz Bhatti

O capim gradualmente se desfocando para o fundo é efeito de uma teleobjetiva com diafragma aberto e concentra nossa atenção integral no olho do animal, assim podemos reagir mais rápido ao primeiro movimento.

Em fotos macros em que o inseto preenche quase todo o campo visual, também podemos colocá-lo no meio. Fica excelente. Olha que impressionante esta foto:

Foto: Yogendra Joshi

Próxima aula, uma das mais belas técnicas de composição que existem. Aguardem!

Cadastre seu email para receber notícias das próximas aulas:

 

Artigos relacionados:

  19 Comentários para “Curso de Fotografia: Aula 6 – Quando Centralizar o Tema”

Comentários (17) Pingbacks (2)
  1. Yann Arthus-Bertrand parece Picasso com suas obras cubistas.

  2. Realmente as fotos de David Doubilet estao mais perto do surreal.

  3. Eu adorei este conteudo á qual você postou
    este é para mim um dos assuntos de maior importância na fotográfia !
    Eu sou fotógrafo, isto para mim tem me ajudado bastante
    muito obrigado.

  4. quero curso de fotoshop vcs tem?

  5. Salve Rotelli! O curso está muito bom! Vi pela internet uma foto e me lembrei desta aula. Trata-se de “Alberto Giacometti”, de Cartier-Bresson. Você poderia falar sobre ela?

    Um forte abraço e obrigado pelas aulas!

  6. Sinceramente meus parabéns, ótimo trabalho, muito bem explicado,ilustrado, enfim um show. Você deve ser um profissional e tanto. Meus Parabéns novamente.

  7. Luigi, boa tarde, li todas suas aulas achei ótimas, são muito claras, porem gostaria de lhe pedir uma dica, se puder me ajudar ficarei muito agradecido, tenho uma panasonic FZ40, e gostaria de iniciar uma carreira profissional, meu foco seria festas; casamentos, aniversários, formaturas etc.. o que você acha este equipamento é suficiente para iniciar? ou devo investir mais? abç

    • Caro Nivaldo,
      Eu não sou a pessoa ideal para te dar essas dicas, já que não tenho experiência em fotos de casamento.
      Feita essa ressalva, baseado em meu conhecimento de outras áreas da fotografia, acho a FZ40 insuficiente. É uma câmera compacta, com sensor pequeno (muito ruído em baixa luz), sem sincronismo para flash externo e sem um balanço de branco apurado. Para foto de casamento você precisa de uma boa iluminação com flashs externos com suavizador, de preferência um frontal, bem acima do ângulo da lente para não dar olho vermelho e outro lateral, fazendo o preenchimento. Com um flash só as fotos saem chapadas e sem difusor então é um desastre.
      Acho que você irá precisar no mínimo de uma DSLR semi-profissional, uma lente zoom na faixa de 28-80mm ou 35-70mm (de preferência F2.8) e dois flashs com difusor (softbox de encaixe) para começar.

  8. Adorei as aulas que vi por aqui. Incrível, com riqueza de ilustrações que tornam leve e compreensível. Estou estudando fotografia autodidaticamente, e este foi um dos melhores sites que já vi. Parabéns, e obrigada pela generosidade de repassar tanta informação importante. Encantada!

  9. Tive que comentar, meus parabéns.

  10. Sensacional. Há muito procurava alguma coisa assim e só achava fragmentos ou idéias sem exemplos claros, que às traziam mais dúvidas dogue ensinamentos.
    Só estou preocupado com a continuidade, pois o conteúdo não deixa dúvida do trabalho e o tempo que tem te tomado.
    Achei o site por acaso e não consigo parar de ler, mas não estou vendo continuação depois da lição 7 de agosto de 2011. Vai mesmo continuar?
    Parabéns pelo trabalho fascinante e contagiante.

    • Prezado Elio,
      Este mês publico mais uma aula. Estou envolvido em outros projetos que tem me consumido todo o tempo, mas o curso vai continuar.

  11. Não vai ter mais aulas ? ;// Adorei todas as 6 aulas e aguardo as outros que virão.. :D

  12. Quando tudo isso vira um livro? Tá lindo demais pra ficar só na tela. Preciso pegar na mão e ler e reler e reler…. As lindas ilustrações devem ser de pagina inteira. O papel deve ser o mais pesado…
    Ficará demais.
    Um grande abraço e obrigado

    • Olha só! Ia ficar bonito mesmo, em papel lustroso. Obrigado por esse belo elogio. Ainda tem um longo curso pela frente e, se ficar realmente bom, será uma ótima idéia transformar em livro. Eu gosto de comprar livros destes fotógrafos mesmo podendo ver as fotos deles na internet. Eu gosto de pegar no papel, sentir o cheiro do livro. É diferente de ver em uma tela. Os livros eletrônicos vieram para ficar, mas eu vou continuar com o papel até quando existir.

  13. O Site continua otimo!OBS: Belissimas imagens e conteudo!

 Escreva um comentário

(requerido)

(requerido)

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>