mar 312013
 

[Quando vier a primavera,]

Recitado por Pedro Lamares, Ator

 

Quando vier a primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na primavera passada.
A realidade não precisa de mim.
Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma.

Se soubesse que amanhã morria
E a primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

Alberto Caeiro (1889-1915)

Poesia
Alberto Caeiro; edição Fernando Cabral Martins, Richard Zenith
Assírio & Alvim

 

Outros declamadores:

Alexandre Silva, Músico

Filipe Vargas, Ator

Valdemar Santos, Encenador

 

Um poema por semana é uma série criada pela Rádio Televisão Portuguesa e foi transmitida durante 75 dias em três inserções diárias. Segundo a RTP: “Cada poema durou uma semana e contou com 75 diseurs, um por dia: homens e mulheres, novos e velhos, portugueses e brasileiros e angolanos e italianos falantes de português. Todos eles declamaram o poema à sua maneira, de forma mais ou menos extensa, mais rápida ou mais lenta, a sorrir e a cantar ou quase a chorar. Todos contribuíram com um pouco de si e mostraram-nos o que estava escrito nas entrelinhas, espalhando sonho e inspiração, que o público caracterizou de “um oásis no deserto”.”

Artigos relacionados:

  4 Comentários para “Um Poema por Semana: Alberto Caeiro”

Comentários (3) Pingbacks (1)
  1. Fiquei encantada, apresentarei a radio aos meus alunos . Parabéns pela ideia , para a equipe e interpretação de Pedro Lamares.

  2. Um ótimo site!
    Emocionei com este lindo poema de Caiero, muito bem interpretado por Waldemar Santos..

  3. Li por acaso. Chorei. Foi como se eu estivesse me ouvindo falar. Muito lindo.

 Escreva um comentário

(requerido)

(requerido)

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>